quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Pastelzinho de Belém

Minha lição de casa da matéria Educação para o Sabor, ministrada pelo fantástico professor Luiz Fernando Escouto, era uma degustação comentada. O meu desafio: aguçar minhas papilas gustativas, perceber sutilezas. Ei-lá:

Pastelzinho de Belém que deve ser chamado pastel de nata. De Belém, só os de Belém mesmo, os fabricados na antiga “oficina do Segredo”.
Mas estou cansada dessa história, daqui a pouco, acarajé só da Bahia, aos demais restará o nome genérico: bolinhos de feijão fradinho. Então o meu brasileiro é de Belém e acabou!
Na verdade estou realmente cansada, por isso essa rabugentice descontada no doce.
Confesso, esse não é o primeiro pastelzinho que compro para fins educacionais.
As outras tentativas fracassaram. Na primeira a glutonice foi mais forte, comi já na saída da padaria, na rua mesmo. Fome e o sussurro quente de dentro do saquinho: devora-me....
Senti-me muito mal em comer o dever de casa sem o ritual proposto.
Para segundo, cuidei de todos os detalhes, com o esmero que dedicamos aos encontros com amores novos. Silêncio e toalha limpa. Enfim sós, eu e o portuguesinho. Contato visual, depois olhos fechados para o perfume. Telefone. Era minha sogra, e talvez pelo teor do monólogo, quando dei por mim, meu dedo engordurado empurrava convulsivamente os últimos pedaços de massa quebradiça, boca adentro.
Essa é a terceira tentativa. Estou com medo de não sentir nada do proposto, por isso estou tagarelando feita louca .
Esquentei-o no forno. Começo mal: queimo levemente o nariz, num afã de aspirar e codificar os odores secretos. Cheiro doce. Mas isso não é muito... tento especificar: cheiro de doce antigo: açúcar queimado, ovos... leite. Se há baunilha, não sei dizer.
As formas: as bordas da massa folheada desabrochando, páginas de um onírico livrinho circular.
É, de fato, o pastel de Belém não é um modelo de beleza convencional. Se olhar mos as partes separadamente, ele é bem feio. O recheio assustado, encolhido no centro. Mas no conjunto sim, é belo. Como a Sofia Loren, traços desproporcionais reunidos, formando um rosto singular e magnífico.
Exageros á parte, a massa acastanhada requer devoção aos deuses: Saturno e Vulcano, pois é preciso dominar o fogo e o tempo.
O recheio degradê, vai do amarelo pastel ao austero marrom de suas manchas aleatórias. Impressão digital que os faz únicos. Pensando nisso, as tortas de morangos me parecem bobas.
Pequena dentada: texturas distintas. Cremosidade do recheio, tenras folhas próximas ao centro, até a resistência das paredes externas.
O doce impera os primeiros instantes, mas logo é deposto pela neutralidade da massa.
Amálgama de sabores. Minhas papilas gustativas não sabem mais nada.
Rendo-me. Outro dia arranco mais confissões desse dissimulado e gostoso português, que se foi e deixou um gosto de óleo na boca!

7 comentários:

Sill disse...

Uhm...demorei a me render, mas não é que tb me apaixonei pelos doces de nata? Até sonho c os danados. Mas já se foram algumas tentativas por aqui de comer um tão gostoso qto o original, mas nada, só o gosto de ovooo... vai ver é por isso q querem q se use o nome genérico... rs... Escrevi sobre eles tb
http://silmaraluz.blogspot.com/2007/07/pasteizinhos-ce-belm.html
Adorei seu blog. Seja bem vinda! bj Sill

Rosi disse...

Ah ...dei boas gargalhadas com vc nas suas 2 degustaçoes do pastel.......foi demais adorei seu modo de escrever. Me senti e me transportei nas suas palavras vivendo intensamente o que vc escrevia....
Abraços e parabens.
Rosi
frorol@tele2.it

Eliana Scaramal disse...

Vim conhecer o seu blog atraves da cozinha da Neide, já me sentei e tenho como certo que vou tomar muitos cafézinhos por aqui. Parabéns!

Marizé disse...

Cheguei até aqui pela mão da querida Neide, vim para desejar sucesso ao blog e á blogueira.

Fiquei rendida com o texto, gostei mesmo muito, e depois o assunto interessava-me, sou portuguesa.

Realmente o pastel de nata é muito bom, mas não se consegue perceber bem porquê.

Beijocas

Patricia disse...

Adorei !!!
Tudo o texto, o Blog...
Sucesso e tenha certeza que sempre estarei por aqui...Degustando desse seu delicioso Blog...

beijos....

risonha disse...

oi lili... mais uma portuguesa deixando o comentário...lol
assim que a neide falou no teu blog vim a correr para ver e adorei... escreves de uma maneira fantástica, e adorei o post do pastel de belém (que para mim será sempre chamado de pastel de nata)
beijos para ti e muito sucesso

fezoca disse...

Lili, bem-vinda! Vou ficar assidua das suas cronicas, que me deliciaram. um beijo!